terça-feira, 31 de maio de 2016

O duplo bêbado

     Nos melhores momentos da minha vida: eu estava bêbado. Eu deveria ter feito muitas outras coisas enquanto bêbado, sem dúvida! Quando as coisas do dia a dia que faço por não estar bêbado dão errado, é obvio que foi por eu não estar bêbado... E é claro que só estou criando esta reflexão reveladora por estar completamente bêbado, se não estivesse, na certa estaria vivendo completamente normal, mas fazendo merda. Existem dois eu: o melhor; este agora que sabe o que diz, que sabe lidar com as situações e aquele outro; o que vai para o trabalho de funcionário de baixo escalão, o guarda da geladeira, o guarda da escada, o guarda de nenhum lugar especial... Se eu fosse ao trabalho, eu dormiria o expediente todo... O outro é tão tolo que conta quantas pessoas passou por ele sem entrar pela porta que ele protege e guarda, quando passam pela porta ele memoriza os nomes de todos e depois anota em sua agenda todos os nomes... É ridículo! Eu queria era não ter que lembrar essas coisas; de saber o quanto imbecil meu outro é... Por isto, quando estou bêbado e me vêm essas memórias; necessito de mais bebidas. O outro acorda sem se lembrar da bebedeira e fica só com a ressaca e eu com meu álcool, seria justo não trazer os fatos sobre ele e o que mais me irrita; o fato que estamos vivendo assim há alguns meses. E mesmo de ressaca seguidas ele insiste em continuar indo ao trabalho, ficar em pé o tempo todo sorrindo quando sua cabeça quer explodir... Eu queria que minha cabeça explodisse agora de tanto rir da idiotice dele que fingi ser importante. Já vivemos tanto tempo sendo um só: o idiota. Porque ele ainda se prende nisto e não deixa eu viver o restante dos dias? O problema é que ele não tem as doces recordações do quanto é maravilhoso, especial viver em um estado de espirito superior, que nos traz revelações sobre o mundo em que vivemos e o mais importante; de como vivemos. O que me falta é controle, eu não existo quando ele está lá concentrando em não deixar ninguém entrar sem apresentar o cartão; seja de funcionário ou de visitante. Exato! Eu sou a parte inteligente, eu quem percebe o quanto ridículo é aquilo e por isto vou colocar Whisky Irlandês naquela sua garrafinha tosca de café... Tenho que continuar bebendo até pouco antes de irmos ao trabalho, pois eu sempre volto com tempo para dormir e é quando eu deixo o outro vir. Se eu me segurar hoje bebendo até o momento de fazer o café, o plano da certo e no banho deixo o outro vir para que pareça tudo normal e quando ele sorri posicionado em seu lugar após tomar sua primeira xícara de café, eu voltarei.

As dores em sonho

Nosso anti-herói passou o dia planejando fazer algo, cansado e confiante de que na manhã seguinte tudo irá correr conforme seu plano, deita-se para dormir, mas o inesperado acontece: O enfarto fulminante.